Instituto Ricardo Jorge revelou hoje que começaram a ser detetados os primeiros vírus da gripe nas análises feitas em laboratório

Pela primeira vez, estabeleceu-se uma ligação directa entre o número de cigarros fumados e o número de mutações que isso provoca no ADN e que, mais tarde, poderão terminar em cancro.

Anunciou ontem o secretário regional da Saúde

Secretaria da Saúde apresentou hoje o livro ‘Comer com saber... em família’

A noite traz consigo uma nova realidade, onde a música a dança, a imagem, os outfits são diferentes da realidade do dia. As saídas são acompanhadas de amigos, de encontros e reencontros e de expetativas. Os ambientes de diversão estão, desta forma, positivamente conotados e simbolicamente associados à procura do prazer e bem-estar.

A Doença Celíaca (DC) é uma patologia auto-imune, que ocorre na sequência da ingestão de glúten em indivíduos geneticamente susceptíveis e que se caracteriza por atrofia das vilosidades do intestino delgado. O glúten desencadeia, neste órgão alvo, uma resposta inflamatória mediada pelo sistema imunitário que origina a progressiva destruição da mucosa e lesa as vilosidades, que consequentemente diminuem a sua capacidade de absorção de nutrientes.

As estimativas divulgadas pelo Congresso Mundial contra o Cancro os novos casos de cancro (especialmente no esófago, colo-rectal, garganta, fígado e mama) surgem principalmente nos países desenvolvidos.

Relatório da Unicef apela aos líderes mundiais para que actuem para reduzir a poluição atmosférica, que mata mais crianças que a malária.

Existem três tipos de vírus da gripe, que são Influenza A, B e C. Apenas os vírus A e B causam gripe no Homem, com impacto clínico, sendo estes os principais responsáveis pelas epidemias anuais. Existem 2 proteínas à superfície do vírus, que são fundamentais à sua propagação: a Hemaglutinina (H) e Neuraminidase (N).

 

A sua variabilidade está na base da classificação do vírus Influenza A em diferentes subtipos (por exemplo, H5N1 – “gripe das aves” ou H1N1- “gripe A”).Este é um vírus que sofre mutações muito frequentemente, daí que o do ano passado seja diferente do vírus da gripe deste ano e assim sucessivamente. Quando surgem alterações muito importantes, pode dar origem a uma pandemia de gripe, ou seja, a um surto, que rapidamente se propaga pelo globo, uma vez que é como se fosse um novo vírus; aquela nova combinação H/N é desconhecida pelo organismo humano, que, assim sendo, não tem defesas específicas, sendo “apanhado de surpresa”. Aí, a evolução clínica depende da virulência, ou seja, da agressividade desta nova estirpe, por um lado, e do hospedeiro, da sua condição de saúde prévia e capacidade de resposta imunológica, por outro.

 

Exemplo disto são as pandemias ocorridas até à data: a "espanhola" (1918-1919), que causou cerca de 20 milhões de mortes, a "asiática" (1957-1958) e a "de Hong-Kong" (1968-1969), que foi a que causou menos mortes, muito provavelmente pelo facto de esta estirpe ter semelhanças genéticas à da gripe asiática, o que terá permitido que a imunidade desenvolvida na população, lhe tenha conferido alguma proteção. De forma a tentar acompanhar esta dinâmica viral, as vacinas são especialmente fabricadas para cada época gripal, prevendo já alterações genéticas no vírus. Daí que, as pessoas com indicação para ser vacinadas, têm de o fazer anualmente. Os benefícios esperados na redução da duração da doença e na sua gravidade, bem como complicações, internamentos e morte, são muito relevantes. A Direção-Geral da Saúde recomenda a vacinação contra a gripe como a principal medida de prevenção, sendo que está fortemente indicada em: pessoas com idade igual ou superior a 65 anos; doentes crónicos e imunodeprimidos (a partir dos 6 meses de idade);grávidas; profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados. Aconselha-se também a vacinação às pessoas com idade entre os 60 e os 64 anos. Estão disponíveis 1,2 milhões de vacinas para administrar gratuitamente.

 

As restantes pessoas podem adquirir a vacina nas farmácias, sob prescrição médica, beneficiando de comparticipação de 37%. Porquê vacinar-se mesmo que não pertença a nenhum grupo de risco? Se já se proteger antecipadamente, permitirá que o seu organismo produza anticorpos (“defesas”). Quando viera contactar com o vírus, conseguirá dar uma resposta mais pronta e eficaz, ou seja, não ficar tão doente e evitar assim outras complicações, como a sobreinfecção bacteriana, que pode causar pneumonias graves e mesmo a morte. Em suma, como diz o ditado “mais vale prevenir do que remediar”!

 

Fonte: Jornal da Madeira

 “O que mais me custou foi contar às minhas filhas, de oito e 11 anos: ‘A mãe tem um nódulo na mama e vai ter de o tirar’”, lembra Elizabete Silva, de 40 anos, olhos marejados, mas aliviada por “a conversa não ter sido tão terrível como temia”.